Entrevista: Automação B

By 23.11.2020 Library

Nome: Filipe Silva
Idade: 33 anos
Formação: Eng.º Eletrotécnico
Instituição de Ensino: Instituto Politécnico de Engenharia do Porto

 

Nome: Carlos Pinto
Idade: 36 anos
Formação: Técnico de Eletrónica e Automação
Instituição de Ensino: Colégio de Gaia

Nome: Duarte Fernandes
Idade: 38 anos
Formação: Eng.º Eletrónica Industrial e Computadores
Instituição de Ensino: Universidade do Minho

Nome: Amaro Costa
Idade: 28 anos
Formação: Eng.º Eletrotécnico/Automação Industrial
Instituição de Ensino: Instituto Politécnico de Viseu/Universidade de Aveiro

Há quantos anos trabalham na Controlar e que funções desempenham?

Duarte Fernandes, Gestor de Projetos e da equipa. Há 13 anos na Controlar.
Amaro Costa, Coordenador de Projetos. Há dois anos e meio na Controlar.
Filipe Silva, Coordenador de Projetos. Há dois anos na Controlar.
Carlos Pinto, Coordenador de Projetos. Há nove anos na Controlar.

Quando começaram a trabalhar juntos? Como se formou a equipa de Automação B?

A equipa começou com a entrada do Filipe Silva na empresa para integrar a equipa de Automation Systems B que, na altura, era representada apenas pelo Duarte Fernandes. Com o aumento da necessidade de mais recursos surgiu a oportunidade de integrar mais um elemento na equipa, o Amaro Costa. Este ano, fruto da restruturação que está a ser levada a cabo na empresa, o Carlos Pinto juntou-se à equipa, para reforço e apoio em questões de cariz mais técnico, aproveitando a sua larga experiência na área de construção e montagens de máquinas.

O que apreciam mais no vosso cargo atual?

O que mais apreciamos no nosso trabalho é a possibilidade de estarmos sempre em contacto com o cliente e de atender aos desafios propostos, sempre com o compromisso de ir ao encontro das suas expetativas e necessidades com a solução pretendida.

Como descreveriam o ambiente profissional na Controlar?

A Controlar possui um ambiente de profissionalismo e responsabilidade mas, ao mesmo tempo, descontraído. Isso deve-se ao facto de sermos uma empresa com colaboradores jovens e dinâmicos com uma boa capacidade de trabalho em equipa.

Como é que os vossos clientes reagiram à situação pandémica atual e como é isso se refletiu nos vossos projetos?

Numa fase inicial houve muito receio. Houve a dúvida se seriamos capazes de dar resposta aos clientes perante as limitações que foram impostas pela situação pandémica. A incerteza da evolução da pandemia fez com que a pressão aumentasse, juntamente com desafios do ‘teletrabalho’. No entanto, a confiança foi sendo restabelecida com o decorrer do tempo e conseguimos cumprir com os projetos que tínhamos em desenvolvimento.

Para quem não conhece a Controlar, o que a torna a escolha certa para quem necessita de um projeto de automação industrial?

A nossa equipa é experiente, multidisciplinar e sempre disposta a abraçar novos desafios nos diferentes ramos da indústria. Temos uma boa capacidade de adaptação e aprendizagem perante novas tecnologias e processos de produção, o que ajuda no processo de concepção e desenvolvimento de equipamentos novos e diferentes.

Por fim, o que vos inspira? Existe algum lema sob o qual se regem?

O que nos inspira são os novos desafios que a indústria vai solicitando porque nos obrigam sempre a evoluir em termos profissionais e pessoais. Em relação ao ‘lema’ — e em jeito de brincadeira — costumamos utilizar muitas vezes a expressão “O que o Sr. quiser!”